Arquivo da categoria: Treinamento com Neuromentoring

EDUCAÇÃO SUSTENTÁVEL E AGRESSIVIDADE INFANTIL

Recentemente, esse tema vem ocupando mais espaço nas discussões tanto no âmbito escolar, quanto familiar e social. Ainda pouco se conhece sobre as causas da agressividade infantil, cada vez mais frequente em nosso meio. Dezenas de vídeos se espalham nas redes sociais mostrando esse fato, comprovando sua presença.

Uma coisa é certa, a agressividade faz parte do desenvolvimento da criança. Nossa herança genética, forjada durante milhares de anos, traz no DNA a agressividade, como um instrumento que assegura a preservação da espécie. Determinado nível de agressividade pode ser considerado normal e nem há motivos para alarmes e atitudes descontroladas por parte dos adultos que, grande parte das vezes, se assusta. Mas, é preciso prestar a atenção, quando essa agressividade extrapola determinado limite e passa a ser algo digno de atenção, estudo, e até tratamento.

Experiências realizadas pelos especialistas em Haptonomia revelam que mães que foram tratadas pelas técnicas dessa ciência, durante a gestação, não tiveram problemas com seus filhos. As crianças nascidas se mostram mais calmas, mais sociáveis e não apresentam comportamentos agressivos exacerbados, além de terem mais facilidade no campo cognitivo.

Os estudiosos da agressividade infantil, sempre relacionam o fato ao ambiente familiar desprovido de afeto, onde a agressividade por parte dos adultos é uma constante e que isso tende a se repetir, uma vez que a criança aprende por imitação. Parecendo uma coisa normal, a criança cresce e irá repetir atos violentos, ao longo da vida.

Outros estudos revelam que, para minimizar os comportamentos de risco, dentre eles atos violentos, é necessário que a criança, o jovem aprendam a vivenciar valores, sendo o afeto o primeiro deles. Pelo menos, trinta e cinco valores positivos devem ser vivenciados, segundo especialistas em comportamento, para que o indivíduo não apresente comportamentos de risco e consiga satisfazer sua necessidade ética.

A Educação Sustentável defende que haja um trabalho intenso nos primeiros anos escolares, no sentido de despertar o cérebro ético da criança, para que ela vivencie os valores universais positivos, que por vezes, não são vivenciados pelos pais, no ambiente familiar. Profissionais da educação que atuam principalmente nesses primeiros anos escolares devem vivenciar esses valores com os pequenos, a começar pelo afeto, sem se esquecer da organização, da persistência, do diálogo, da disciplina, dentre muitos outros.

A vivência de valores fará com que a agressividade diminua e irá assegurar o desenvolvimento de uma sociedade mais sadia, que contribui para a construção de uma cultura de paz.

CÉREBRO ÉTICO

No processo de desenvolvimento do cérebro humano, formou-se “uma região específica do córtex pré-frontal, responsável por toda experiência relacionada à vivência dos valores universais positivos, à qual denominamos ‘cérebro ético’”, que se constitui no DNA da inteligência ética.